Ministério da Hotelaria e Turismo
Turismo

Íntegra do discurso do ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social

SENHORA MINISTRA DA HOTELARIA E TURISMO
SENHORES MINISTROS
MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES,

O peso do sector petrolífero na economia nacional não se traduziu ainda numa alteração estrutural das exportações e das receitas do estado sobretudo das receitas em moedas externa, as chamadas divisas. Por isso o nosso país continua ainda fortemente vulnerável a choques externos, em particular das oscilações do preço do petróleo no mercado internacional.

Todos sabemos qua a diversificação da economia nacional é a solução efectiva para a saída da crise económica e financeira em que nos encontramos, através da aposta na produção nacional sobretudo dos produtos da cesta básica, da aposta na produção de serviços que possam gerar recursos em moeda externa e também da aposta na promoção de exportações fora do sector petrolífero.

Esta é também a solução para o aumento do emprego em Angola, para a erradicação da fome e da pobreza extrema, para o aumento dos rendimentos dos cidadãos e, por conseguinte, para o aumento do bem-estar e da qualidade de vida do povo angolano.

Uma actividade que pode ter implicações positivas importantes na balança de pagamento do país e contribuir para a diversificação das fontes de aquisição das fontes de aquisição de divisas da economia nacional é o turismo.

Para muitos países o Turismo constitui uma das suas principais fontes de rendimento. O turismo foi reconhecido na declaração de Manila de 1980 sobre o turismo mundial, como uma actividade essencial para a vida das nações devido aos seus efeitos directos nos sectores económico, social, cultural e educacional das sociedades.

O turismo pode trazer para as economias locais rendimentos importantes sob a forma de pagamento de bens e serviços que os turistas necessitam no decurso da sua permanência nos países que procuram.

Estas operações comerciais constituem hoje cerca de 30% das transações mundiais do sector de serviços e cerca de 6% da exportação global de bens e serviços.

Vários serviços podem beneficiar do turismo como os serviços de transporte, os serviços de acomodação como hotéis e resort, os serviços de entretenimento como parques de diversão, concertos musicais, casinos, grandes superfícies comerciais e outros. Há várias actividades que se situam a montante e a jusante da actividade turística e que por isso devem ser tratadas de modo integrado e não de modo disperso e isolado.

Minhas senhoras e meus senhores

Precisamos de desenvolver em Angola uma verdadeira indústria do turismo.

Por isso constitui para mim uma elevada honra presidir em nome do Executivo angolano à abertura desta 1ª reunião ordinária da Comissão multidisciplinar encarregue do desenvolvimento do turismo em Angola.
Estão nesta sala os titulares dos diferentes departamentos ministeriais que intervêm nos múltiplos segmentos que constituem a cadeia de valor da indústria do turismo.

O nosso desejo é que esta reunião marque um ponto de inflexão no modo como temos encarado o desenvolvimento do turismo no nosso país, devendo apontar com objectividade as áreas de intervenção fundamentais numa perspectiva de curto, medio e longo prazos e estabelecer as suas conexões com o turismo regional e internacional.

Temos de avançar depressa e com segurança. A tecnologia em todos os domínios da vida é hoje um bem semipúblico.

O sector do turismo não é uma excepção.

Há por isso que estabelecer as parcerias apropriadas para tirarmos o maior rendimento das tecnologias e do Know - how existente no mundo. O turismo é dos domínios em que se pode tirar muitas vantagens do processo de globalização que hoje tira muitas vantagens do processo de globalização que hoje vivemos de modo cada vez mais intenso.

Devemos estabelecer parcerias internacionais para proporcionar a criação de produtos turísticos competitivos e boa qualidade, de modo a atrair cada vez maiores fluxos de turistas das várias regiões do mundo.

A este respeito, devemos promover todas a acções necessárias para a simplificação do processo de atribuição de vistos para turistas internacionais.

Todos sabemos que Angola tem enormes potencialidades turísticas. Contudo não basta ter esta ideia genérica precisamos de fazer o mapeamento, o cadastramento e a organização dos recursos turísticos existentes em todo o país e precisamos também de segmentar os mercados emissores de turistas e categorizar os produtos turísticos angolanos.

Devemos prosseguir a implementação dos pólos turísticos de Cabo ledo e Calandula e elaborar uma estratégia de promoção internacional do projecto Kaza, isto é, o projecto OKAVANGO - ZAMBEZE.

A actividade do turismo é desenvolvida essencialmente pelo sector privado que encontra neste sector enormes oportunidades de negócio com taxas de retorno significativas. Ao estado cabe criar as condições institucionais, as condições macroeconómicas e também as condições de segurança para que esta indústria floresça.

Por esta razão, a mobilização do sector privado, das Associações de Especialidades e dos Operadores Turísticos é uma componente determinante para o sucesso deste projecto.

Para que a participação do sector privado se faça de um modo coordenado e integrado o Estado deverá desempenhar o seu papel de órgão coordenador e regulador, através do Plano Nacional de Desenvolvimento do Turismo. Este Plano precisará de ser actualizado de modo a reflectir com objectividade e profundidade a importância deste sector para a economia nacional.

Minhas senhoras e meus senhores;

Esta Comissão Multisectorial do turismo deve agir sempre na base do Diploma legal que a sua criação e que define a sua composição e o seu funcionamento.

Deve reunir com a periodicidade desejada e deve ser capaz de estabelecer um programa concreto de atracção de turistas ao nosso país, devendo o número dos mesmo ir crescendo a medida que forem crescendo os investimentos no sector.

O que é preciso é começar. A dinâmica da vida e o espirito empreendedor dos nossos empresários e também de empresários de outros países encarregar-se-ão de nos colocar num lugar de honra no mundo do turismo internacional.

Como diz um conhecido proverbio chines. Uma longa caminhada começa com o primeiro passo.
Que esta 1ªreunião da Comissão multidisciplinar do turismo seja um passo decisivo na direcção que todos nós almejamos.

Este é o desafio que lanço ao concluir esta minha intervenção, esperando resultados que indiciem um firme compromisso com a arrecadação de receitas e criação dos investimentos privados nacional e estrangeiro para o sector do turismo.

Formulo votos de bom trabalho!